sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Brasil Colônia: Ford Fiesta

O consumidor brasileiro não é levado a sério. O Fiesta nacional está tão "remendado" que a foto parece montagem.

O Brasil é o mercado de ouro para as montadoras de automóveis: produtos defasados vendidos por preços exorbitantes. Os executivos das montadoras, que aqui comercializam seus veículos, devem sentir-se como se ganhassem na loteria, todos os dias.

O exemplo de hoje é o Ford Fiesta. O carro começou a ser vendido aqui em meados de 1995, ainda importado. Nacionalizado no ano seguinte, ganhou mais duas gerações, um facelift na primeira e dois na segunda.

Fiesta e suas versões. Os facelifts de 2008 e 2011, ao que parece, foram feitos por estagiários.

Na figura acima, talvez o leitor perceba que está faltando um carro, que é o "New" Fiesta. Na verdade, é o modelo que foi lançado na europa em 2008, ou seja, já se passaram 4 anos.


A Ford quer que você o veja assim, desvinculado das outras gerações. O que em outros países foi uma evolução natural do modelo, no Brasil, querem te convencer que é um outro carro, um "new" Fiesta. Querem que você o compre como se fosse de uma categoria superior e isso tem um preço, bem alto (a versão hatch começa em R$ 48.950,00 segundo o site da Ford).

Não que o carro não seja completamente novo, mas a questão é que ele deveria substituir o Fiesta atual e não coexistir. Essa moda já é antiga no Brasil, já aconteceu inclusive na mudança do Fiesta 1997~2003 para o modelo 2003~2011.

A Ford vai tentar espremer essa laranja até a última gota e só a partir daí vai baixar os preços e tirar o velho Fiesta, finalmente, de linha.

Cabe a você, consumidor, fazer a sua parte. Evite comprar este Fiesta até que o preço dele seja razoável. A Ford na última semana já anunciou redução de preços tanto do Fiesta 2011 gringo, quanto do fiesta 2011 para brasileiros. Não deixe que a laranja a ser espremida seja a sua.

A questão é dar valor ao seu dinheiro. Mesmo que você tenha cinquenta mil reais para comprar este carro à vista, não deveria comprá-lo.

Você estará aceitando pagar a TBB (taxa babaca brasileiro), engordando ainda mais o cofre das montadoras, e sabe o que vai acontecer? Vão investir num novo projeto lá na europa, e bem... é só reler o post, adicionando seis anos nas datas.


4 comentários:

  1. Infelizmente não é só o Fiesta, ou só a FORD. Porém, no caso do Fiesta, quando ele tiver preço abaixo dos demais carros de mesmo segmento (espaço interno e itens de série - beleza e adereços externos não definem segmento), vale a compra para fazer sentir que o mercado consumidor começou diminuir a sua cota de tolices e quem sabe uma mudança de postura das demais concorrentes. Por hora, vamos acabar com a Fiesta deles, basta não ir ninguém!

    Pena que, com tão poucos concorrentes (alguns tem representação ridícula - e as matrizes aceitam - em nosso país) não exista uma competição mais acirrada pelo consumidor (a nova concorrência parece entregar os pontos neste jogo pelo consumidor). Bem, o futuro indica algum ar de mudança, resta a "panelinha" não conseguir moldar as decisões do governo em seu favor (protecionismo).

    Entenda por que os carros são mais caros no Brasil
    http://www.youtube.com/watch?v=qdL8KEpg17M

    E não só os automóveis, como também seus componentes de reparo:
    Denúncia: Diferença de preços na mesma peça
    http://www.youtube.com/watch?v=uvu8oSGTSqc
    Novamente, e não só a FORD tem esta prática, infelizmente; é correr da mordida do leão para levarmos um tapa do urso.

    Antigamente vieram cá saquear os índios. Agora quando não somos os índios (Brasil é aquele país da floresta), somos os favelados (aquele país das drogas e pobreza extrema); Dá no mesmo, a história repete-se, só que agora com amparo legal da lei de mercado (? aqui sem limites) e definições "modernas" das palavras "saque" e "colônia".

    Em algumas horas específicas precisamos do CADE!? Perguntamos: Cadê?

    Neste circo que vivemos, pagamos para verem o espetáculo e fartarem-se de rir do espetáculo; adivinhem quem são os palhaços?

    ResponderExcluir
  2. @Allan Welson,

    Infelizmente não é só o Fiesta, foi só o primeiro post do "Brasil Colônia". Tem uma série de carros na mesma condição por aqui, remendados ou atrasados:

    - Corsa
    - Agile que é um retrocesso
    - Peugeot "207"
    - UNO!!!
    - Celta
    - Clio
    - C3
    - Xsara Picasso
    - Polo
    - etc...

    Vamos comentando aos poucos sobre eles.

    A raiz desse problema todo, tem a ver com a falta de educação do povo e em segundo, a falta de educação financeira:

    1) As pessoas não conhecem os produtos que compram e não conseguem escolher entre as opções disponíveis, são ludibriadas pela propaganda (vide o caso Hyundai Veloster)

    2) Ao decidir a compra, a maioria paga o automóvel em 3 ou 5 anos, dando pequena entrada. Ou seja, mais lucro para as montadoras. As pessoas não dão valor ao dinheiro. Se simplesmente as pessoas passassem a poupar antes de comprar o carro, pagando à vista, ou financiando pequena parte, já diminuiria esse volume de vendas, e os preços baixariam. Você poderia comprar à vista e bem mais barato.

    Sujeira na Garagem.

    ResponderExcluir
  3. Então não vamos comprar nada e andar de ônibus?
    Aff,
    Quanta abóbrinha!!
    Quem tem compra, quem não tem, não compra.
    Aqui é o terceiro mundo, não gosta, mude de país!

    ResponderExcluir
  4. Quem tem deveria escolher melhor o carro que vai comprar, priorizar as opções mais honestas, fugir dessas enganações. Quem compra esses lixos, abre espaço para que venham mais. Para as montadoras é comodo que a consumidor aceite essas porcarias, é mais lucros para eles.

    Quem não tem, deveria juntar antes de comprar, do que financiar e pagar dois carros no final de cinco anos.

    ResponderExcluir